sábado, 26 de dezembro de 2015

Meta 2015 - 54 a 60 de 60 - A Torre Negra

Esta é a última publicação dessa série e o cumprimento da minha meta para ler 60 livros neste ano de 2015. Resolvi fechar com chave de ouro e optei por ler uma coleção completa de Stephen King, que segundo segundo seu autor desejava escrever algo tão grandioso quanto O Senhor dos Anéis e posso afirmar que chegou bem perto.


King começou a escrever sua coleção maestra quando ainda era um estudante universitário, na década de 1970. O primeiro volume foi publicado em forma de capítulos na revista de ficção científica The Magazine of Fantasy & Science Fiction (permita-me complementar que O Senhor dos Anéis também teve o mesmo início). Somente em 1982 que tomou a forma de livro e foi seguido pelos outros seis - King sempre dizia, ao término de cada livro, que só escreveria o próximo dependendo da aceitação. Finalmente a coleção ficou completa em 2004 e é composta pelos seguintes livros:

  1. O Pistoleiro
  2. A Escolha dos Três
  3. As Terras Devastadas
  4. Mago e Vidro
  5. Lobos de Calla
  6. Canção de Susannah
  7. Torre Negra
Contar o que acontece em livros de uma coleção é sempre um problema, pois ao chegar no último querendo ou não devo falar o que acontece nos anteriores, então resolvi comentar estes sete livros em uma única postagem sobre o contexto geral da obra e não de um único livro.

Em momento algum tinha planejado em ler os sete livros, porém ao ler o primeiro a curiosidade foi mais forte e queria saber o que aconteceria com o pistoleiro Roland Deschain do Mundo Médio e sua busca para encontrar a Torre Negra e assim frustrar o objetivo do Rei Carmim de destruí-la, essa torre é um eixo que mantém todos os universos intactos. Sim, o livro se passa em outro universo, ou talvez em outra dimensão, porém esse universo está entrelaçado com o nosso e é possível passar de um lado para outro através de portais ao longo da obra descobrimos que muitas pessoas o fizeram.

No decorrer dos livros Roland vai formando o seu ka-tet (ou clã) com a reunião de outros pistoleiros e um bilibrambo (não, você não conhece essa espécie - uma busca no Google e poderá ver suas imagens) com o único objetivo de chegar e proteger a Torre custe o que custar.


Existem muitas referências neste livro e as mais importantes são: O filme Sete Homens é um Destino (que muitos afirmam ser uma adaptação americana de Os Sete Samurais de Kurosawa), um livro infantil chamado Charlie, o Cho-Cho (aquele trenzinho que possui uma carinha), lendas do Rei Arthur e O Mágico de Oz. Mas acho que o livro se perde um pouco quando Roland encontra seu criador, isso mesmo o próprio King aparece em um dos livros, apenas um detalhe deixado e nada que atrapalhe muito a narrativa do livro ou o conjunto da obra.

Aviso que cada livro possui mais de 700 páginas algo atualmente só comparado a coleção Game of Thrones de George R R Martin. E como esta, vale a pena ler cada uma de suas páginas pois é uma história que prende e só fiquei satisfeito quando li o último trecho. Esta coleção já ganhou uma adaptação em forma de quadrinhos, não existe um relacionamento temporal entre a os livros e os quadrinhos então não espere que lendo os quadrinhos vai entender os livros ou vice-versa.

Está prometido uma adaptação para o cinema, pessoalmente preferia muito mais uma série para televisão, porém até agora nada foi anunciado oficialmente ainda e a última notícia é que a Sony e a MRC estão trabalhando em conjunto para realizar os dois (tanto o filme quanto uma série para TV). Pelo visto ainda teremos que esperar um bom tempo para ver a materialização da obra maestra de King nas telas.

Para fechar parece que nem tudo termina como era de se esperar já que em 2009, King declarou: "Ainda não está realmente pronta. Estes sete livros são realmente seções de um longo super romance", ou seja, será que ainda virão mais livros? Só o tempo poderá dizer.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Meta 2015 - 53 de 60 - Free Lance

Este livro de George Shipway me lembrou muito os de Cornwell porém com um estilo mais de Stephen King ao narrar o drama psicológico vivido pelos personagens. Este é um livro com um tema épico, no mais puro estilo a dominação britânica em terra Indiana.

Estamos na Índia. O ano é 1800. O capitão Hugo Amaury e Charles Marriott um funcionário de segunda categoria chegam a um território belicoso e corrupto para entrar a serviço da Companhia das Índias Orientais. Obrigados a abandonar a Inglaterra devido a problemas do passado e agora querem aproveitar as oportunidades que essa nova vida lhes oferece.

Marriot, recebe a missão de partir para o norte da Índia, estabelecer a ordem e reclamar os impostos nessa região, na qual os ingleses saíram desde 1766, deixando um fraco governador a cargo. Seu amigo Amaury, possui um forte temperamento e constantemente tem estado a um fio de arruinar sua carreira, decide partir com Marriot porém com planos de embarcar na conquista de um instável território sem qualquer ajuda da Companhia e auxiliado somente por Mercenários contratados. Neste ponto do livro que realmente começa a aventura.

Existe uma associação clara entre esse livro e o filme "O Homem que queria ser Rei" estrelado por Sean Connery e Michael Caine que foi baseado na obra de Rudyard Kipling. Não pense que um foi baseado no outro ou vice-versa pois, curiosamente, tanto o livro quanto o filme possuem a mesma data de lançamento 1975.

Este livro não é como os de Cornwell, centrado no aspecto militar e nas batalhas, está muito mais bem equilibrado para a vida cotidiana das pessoas em uma terra estrangeira. São personagens de uma época diferente que se comportam e agem de acordo com o que vivem.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 20 de dezembro de 2015

Meta 2015 - 52 de 60 - A Solidão dos Números Primos

Essa foi a primeira novela de Paolo Giordano de uma beleza incrível e merecedora do Prêmio Strega de 2008 (um dos prêmios mais importantes da Itália), seu título deve ser muito bem estudado pois é parte integrante da obra (dou graças que no Brasil resolveram não modificar o título).

O livro conta a história de duas pessoas Alice e Mattia. Durante a fase da infância Alice é uma atleta que se envolve em um acidente de Esqui e Mattia abandona sua irmã gêmea que tem problemas mentais a caminho de uma festa e nunca mais a vê.

Na adolescência Alice tem problema de relacionamentos e acaba por desenvolver uma forte Anorexia enquanto que Mattia também tem problema de relacionamentos e se descobre um gênio em matemática.

Alice encontra Mattia e os dois se apaixonam, certo? Infelizmente não, como disse é uma novela bela e profunda e o relacionamento dos dois vai além disso. Alice encontra em Mattia seu melhor amigo e uma alma gêmea e ambos vivem em seu mundo particular de solidão. Alice se torna uma fotógrafa enquanto que Mattia vira um brilhante matemático e após seu doutorado é convidado a ir para uma faculdade no estrangeiro.

Segundo o autor, os protagonistas “são típicos representantes de uma burguesia abastada, que dá conforto aos filhos, mas os deixa sozinhos”. Este livro virou um filme, tenso e belo da mesma forma que o livro onde a atriz Alba Rohrwacher dá vida a Alice e o ator Luca Marinelli faz o papel de Mattia, confira o trailer abaixo:


Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Meta 2015 - 51 de 60 - The Overlook

O título desse livro poderia ser "A Visão do Alto", mas aqui no Brasil optou-se por chamá-lo de "O Mirante" - nada contra pois "Over" é "em cima de" e "Look" obviamente "Olhar" - que também é condizente para o que acontece nesse mistério escrito por Michael Connely.

Um cadáver é encontrado em um mirante nas colinas de Hollywood (exatamente onde fica aquele famoso letreiro). Aparentemente se trata de mero assassinato, e o detetive Harry Bosch se encarrega do caso. A vítima porém se trata de Stanley Kent que trabalhava em um centro clínico e possuía acesso a substâncias radioativas. Ou seja, o caso agora se converte em um provável ato de terrorismo.

Rachel Walling, agente do FBI se encarrega do caso, Hieronymus Bosch porém é um cabeça dura e não largará tão facilmente seu caso e seu jeito sarcástico de lidar com a situação pode comprometer de todas as formas a resolução do problema.

O livro se passa em uma velocidade temporal com o real, ou seja, lembra da série 24 horas é basicamente por aí. Não existem cortes no tempo do livro com o tempo real e nos sentimos envolvidos pela forma narrativa e a frenética corrida de Bosch para resolver o mistério e não permitir que seus superiores o removam do caso. Acompanhe um trecho do dialogo de Bosch com o Capitão Hadley que pretende afastá-lo do caso:

Bosch começou a se afastar, porém se deteve. Queria dizer algo, mas vacilou.
- O que? - disse Hadley -. Fale.
- Só estava pensando em um capitão no qual uma vez trabalhei, faz muito tempo e em outro lugar. Não parava de cometer passos equivocados e seus erros custavam as vidas de muita gente boa, assim que finalmente tive que pará-lo. Esse capitão terminou morto em um vaso sanitário pelas mãos de seus próprio homens. Contavam que depois não podiam separar suas partes da merda.
Bosch começou a se afastar, porém Haldey lhe deteve.
- O que supõe que isso significa? É uma ameaça?
- Não, é apenas uma historia.

Como disse, Bosch é um cínico e individualista e esta em uma luta contra o tempo para desvendar o mistério, porém espere por uma grande surpresa no final e quase nada é o que parece ser. Por esse motivo disse que o título do livro mais poderia ser "A Visão do Alto" pois devemos ver o todo e não apenas uma única parte (um assassinato ocorrido em um mirante).

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 12 de dezembro de 2015

Meta 2015 - 50 de 60 - O Jogo de Saturno

Diria que Poul Anderson está para literatura assim como Moebius para o desenho. Poul (com "o" mesmo) era um escritor de Ficção Científica (infelizmente morreu em 2001) que possuia o mesmo estilo de Isaac Asimov.

Quanto tempo dura uma viagem até Saturno? Para distrair a tripulação é concebido um criativo jogo de RPG com direito a cavaleiros, magos e castelos.

Porém, ao chegar em seu destino, este mundo imaginário começa a confundir-se perigosamente com o mundo real quando uma equipe resolve explorar uma das Luas de Saturno. A Lua "Lapetus" é um estranho satélite bitonal de Saturno formada por dois hemisférios: um deles escuro e rochoso; e o outro branco e coberto de gelo (isso não é imaginação do autor, veja imagens dessa lua no Google).

Enquanto se dá a exploração, uma avalanche ocorre e os exploradores ficam presos em uma armadilha que pode custar a vida de todos. Ao invés de encarar a realidade, eles estão vivendo o mundo de fantasia concebido e achando que tudo não passa de uma trama de um mago para destruir o reino.

Esse livro ganhou o Prêmio Hugo (uma espécie de Oscar dos livros de Ficção).

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Meta 2015 - 49 de 60 - O Contrabaixo

"O Perfume" é a obra mais conhecida do escritor Alemão Patrick Süskind, que possui um jeito de escrever único que transforma seus personagens (até o mais perverso deles) em alguém muito querido.

O Contrabaixo é um monólogo com tom de entrevista aonde um contrabaixista descreve sua vida como tocador de Contrabaixo e músico contratado oficialmente da Orquestra Nacional Alemã (uma espécie de funcionário público). Possui um posto oficial, não necessita praticar demasiado e não tem nenhuma preocupação econômica, porém não se sente livre e nem conhecido. Existe uma relação de amor e ódio pelo instrumento:

“Você pode perguntar a qualquer um. Qualquer músico lhe confirmará de bom grado que uma orquestra pode prescindir do maestro, mas nunca do contrabaixo. As orquestras tocam sem maestros durante séculos; na história da evolução musical, o maestro é um invento muito recente. No século XIX. Eu também posso lhe confirmar que inclusive nós, os da orquestra nacional podemos tocar sem fazer o menor caso do maestro. E passá-lo por alto. As vezes tocamos passando por alto o maestro sem que ele se de conta. Lhe deixamos dar umas pinceladas no ar até que se canse enquanto pateamos o solo com as botas. (…) São prazeres muito secretos que quase não se deve mencionar.”

Chamo-o de contrabaixista, pois em momento nenhum do livro aparece seu nome. O único nome que aparece durante toda obra é o de uma soprano chamada Sarah por quem o contrabaixista está apaixonado. Ela nunca, nos ensaios nunca se dignou a olhar em seus olhos, enquanto que ele sonha em se declarar com um grito de amor durante uma apresentação na qual ela finalmente se dará conta de sua existência e ele será expulso da orquestra. Ele odeia a seguridade que seu emprego fornece porém não se sente valente para abandoná-lo.

Porém, como ele mesmo se declara, o instrumento o faz ser um solitário. E essa é uma característica dos personagens principais de Süskind, a solidão. Jonathan Noel (A Pomba) e Grenouille (O Perfume) eram personagens terrivelmente solitários, tanto que a maior preocupação de Noel era criar uma couraça de monotonia protetora contra o inesperado, enquanto que Grenouille a criação do cheiro da própria beleza sem se preocupar com mais nada ao redor.

Pela obra passam as composições mais conhecidas, de óperas importantes. Se capta o mistério da música através da perspicácia do contrabaixista.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Meta 2015 - 48 de 60 - Uma Ninhada de Serpentes

Michael Clynes é um escritor de História Medieval no estilo investigativa (posso compará-lo a Umberto Eco em O Nome da Rosa), este livro é a quarta parte das memórias de Roger Shallow. Mas não se preocupe, não é necessário ler os anteriores para entender a história.

Estamos no verão de 1523. Benjamin Daunbey, sobrinho de Tomás Wosley, que é arcebispo e conselheiro do Rei Henrique VIII, e seu assistente Roger Shallow, recebem uma carta para se dirigirem imediatamente a Londres para investigar o assassinato de Francesco Abrizzi, um enviado florentino que fazia uma visita ao Rei em companhia de sua família.

Após uma série de investigação em Londres ambos terão que acompanhar a família Abrizzi de volta a Florença, onde enfrentarão as intrigas dos Médici e da guarda secreta dos Oito. Agora um novo assassinato ocorre dentro da corte do Rei Enrique VIII, o Gordo, ou o Escuro.

É um livro que mostra toda a podridão da corte, tanto Inglesa como Florentina. E a grande diferença que existia entre as várias classes sociais da época. Como uma marca de identidade da série, toda historia é narrada por Shallow em sua velhice a um escriba cujas intervenções no relato resultam sempre irônicas e divertidas dando o contraponto necessário a tensa história.

Quando toda trama é finalmente revelada, observamos que os fatos históricos que aconteceram naquela época ficam muito bem sustentados, tornando a história do livro em uma peça creível.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 17 de outubro de 2015

Meta 2015 - 47 de 60 - Tatuagem

Manuel Vázquez Montalbán escreveu uma excelente novela policial permitindo a inclusão de um personagem que provavelmente ganhará uma série de livros (este é o segundo que ele aparece).

Pepe Carvalho é um detetive particular que é contratado para desvendar um crime fora do comum, um corpo foi encontrado na praia e seu rosto está completamente desfigurado (a Polícia acredita que foram os peixes que comeram), uma única identificação pode ser a resposta: Uma Tatuagem.

O mais curioso neste personagem é sua fixação por bons pratos e vinhos, Pepe é uma espécie de Gourmet não profissional mas faz questão de sempre enriquecer sua mesa, bem ao estilo de Hannibal, tirando o aspecto do Canibalismo. Além dessa peculiar característica, Pepe deixou a CIA depois de 9 anos e no momento que ia ser promovido e seu único desejo é guardar dinheiro e viver tranquilo sua velhice, comendo nos melhores restaurantes.

Para este trabalho Pepe é contratado por Carvalho, dono de Salão de Beleza, que promete pagá-lo muito bem para obter informações sobre o cadáver. Pepe acaba por ter que viajar a Holanda para descobrir que o corpo encontrado é de um jovem que mexia com tráfego ilegal de drogas.

É um livro muito curto (com apenas 189 páginas) mas que vale a pena ser lido, principalmente graças ao inesperado final torna a história bem interessante.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 3 de outubro de 2015

Meta 2015 - 46 de 60 - Tarântula

Até que ponto pode chegar a degradação e o sadismo humano? Thierry Jonquet escreveu um livro que trata muito bem disso, é algo parecido no estilo de "O Silêncio dos Inocentes", porém muito longe da surpresa final que espera o leitor.

A história é sobre um renomado cirurgião plástico Richard Lafargue e uma mulher que tem por mascote para realizar todos seus caprichos Ève (interprete como Eva se quiser). Além disso, mais três personagens curiosos surgem, descobrimos que no hospício está a filha do cirurgião Viviane, no porão está aprisionado Vincent Moreau e um assaltante de bancos que deseja mudar de rosto para escapar da polícia Alex Barny.

Como a vida de todos esses personagens se combinam é que dá o toque final dessa novela que não pretendo contar aqui. O título Tarântula vem de como Vincent apelidou seu captor que o trata como um verdadeiro mascote, adestrando-o pouco a pouco para realizar todos seus caprichos.

Durante todo o livro ficamos com um ódio mortal de Richard, imaginando como um ser humano é capaz de realizar certas coisas. Principalmente quando ele obriga a Ève a se prostituir para ficar apenas observando através de um quarto espelhado, ou durante a tortura de Vincent o deixa dias sem água ou comida para depois tratá-lo como um verdadeiro animal selvagem.

É um livro tenso para ser devorado página a página, o cineasta Pedro Almódovar realizou uma adaptação cinematográfica chamado: A pele que habito. É impossível de compreender a relação desse título sem ter lido o livro. Veja o trailer do filme que tem Antonio Banderas e Elena Anaya (que não sei porque possui no filme o nome de Vera) nos papéis principais:


Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 13 de setembro de 2015

Meta 2015 - 45 de 60 - Os Santos Inocentes

Miguel Delibes escreveu um livro emocionante que como roteiro serviria muito bem para uma novela das 6, me fez lembrar muito de "Escrava Isaura". Percebe-se facilmente duas paixões de Delibes nessa trama, a caça e a vida rural.

Esse é um relato sobre uma família de trabalhadores em uma fazenda que aguenta todo o tipo de ordens e humilhações do "Senhor" e dono das terras, ainda com a benção do bispo local. Acredito que a que mais marca e quando a filha caçula do casal (Neves) mostra interesse em fazer a "1ª Comunhão" e vira a piada local.

Existem personagens singulares, como Paco, o baixo que se dedica de corpo e alma para ser assistente de caça de Ivan, quando durante uma caçada este quebra a perna, a única coisa que lhe diz Ivan é que terá que se esforçar mais, incitando-o a continuar com o serviço.

Azarías e outro personagem que projeta um carisma imenso, o consideremos como um "menino em um corpo de homem" e aparece no início da trama cuidando de uma coruja no qual dedica todo seu amor, mas é despedido quando Don Pedro (dono das terras) descobre seu estranho hábito de urinar nas mãos (para Azarías uma forma de desinfecção) antes de realizar suas tarefas. Azarías é o único que consegue acalmar a pequena Charito (filha pequena do casal) e também criar um Corvo desde pequeno que inclusive lhe atende e gera uma das cenas mais emocionantes em toda novela.

Régula é a mulher de Paco e irmã de Azarías, mãe de Neves, Quirce e Charito a que realiza os serviços domésticos da casa, é quem dá o tom esperançoso dessa singular família. Como disse é uma trama digna de novela da Globo, prepare vários lenços de papel. Esse livro virou um excelente filme que inclusive ganhou o Prêmio Especial dos Jurados de Cannes.


Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Meta 2015 - 44 de 60 - O Apanhador no Campo de Centeio

Durante muito tempo queria ler esse livro de J. D. Salinger, porém nunca tinha lido qualquer resenha sobre o livro e imaginava "pelo título" algo completamente diferente, como um livro de suspense. Bem, não se deve julgar um livro pela capa, muito menos pelo título.

O livro conta a história narrada por Holden Caulfield, um jovem de dezessete anos que é expulso do colégio e resolve passar um final de semana passeando pela cidade de Nova York. Holden é um jovem com uma peculiar visão das pessoas que o cercam que em sua visão são falsas e superficiais, na verdade uma das poucas pessoas que acha experta é sua irmã pequena, na qual tem a maior admiração.

Não espere algo extraordinário do livro, pois não acontece absolutamente nada, Holden tem vários encontros, em um dos casos com duas freiras que pelo simples fato de carregaram um cesto acha que são pedintes do "Exército da Salvação", mesmo com elas afirmando que trabalham em um colégio, Holden lhes dá 10 dólares para ajudarem aos pobres sem mais nem menos (isso porque seu dinheiro já está acabando e algumas páginas atrás disse que teria de economizar).

Provavelmente Salinger quis escrever um livro mostrando o "pior" período na vida de uma pessoa - As Confusões de um Adolescente (que seria inclusive um título melhor para o livro) - algumas estranhas curiosidades mórbidas sobre este livro:

  • O assassino de John Lennon, Mark David Chapman, carregava este livro consigo no dia em que cometeu o crime. Segundo seu testemunho, estava lendo o livro minutos antes de tentar o suicídio e da obra teria tirado inspiração para matar John. 
  • O atirador que tentou matar Ronald Reagan em 30 de abril de 1981, afirmou a mesma coisa.
  • O assassino de Rebecca Schaeffer, Roberto John Bardo, carregava consigo o livro quando a matou. 
  • No filme "Teoria da Conspiração ", Mel Gibson faz o papel de um motorista de táxi psicótico, que acha que todos estão contra ele, ele possui uma compulsão, comprar diariamente este livro, em sua casa existem milhares de exemplares dessa obra.
Como disse é um livro estranho, não senti a menor vontade de matar ninguém ou de cometer suicídio, mas não o recomendaria para um jovem com problemas de inclusão social.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 5 de setembro de 2015

Meta 2015 - 43 de 60 - A Assombrosa Viagem de Pomponio Flato

Eduardo Mendonza é um escritor espanhol que possui uma forma única de escrever, lendo com o máximo de atenção percebe-se ocultismo e muito sarcasmo e essa obra não tem nada de diferente.

ALERTA: Antes que algum "crente" chato fale algo, devo dizer que esse é um livro da mais pura ficção e não se baseia em fatos históricos (assim como a Bíblia).

O livro retorna a época de Jesus menino que se encontra com Pomponio Flato para lhe pedir um favor: Investigar um crime no qual seu pai adotivo José se encontra preso, acusado e condenado a cruz.

Vários são os personagens bíblicos que se encontram nessa aventura, Maria mãe de Jesus, Maria Madalena, João Batista, Mateus, além de Ben-Hur.

Pomponio é um Filósofo Romano que percorre o mundo atrás da Fonte da Juventude, atacado por fortes dores (devido a última experiência que teve ao tomar água sulfurosa) é um personagem muito singular que usa mentiras e muita astúcia para investigar o crime. Pode ser comparado ao Sherlock Holmes que vimos em filmes e algumas séries pois seu sarcasmo fica mais do que evidente.

Fica clara a ação do "Deus Católico" e dos "Deuses Romanos" em uma série de diversos acontecimentos que se passa para a resolução do problema.

É um livro que vale a pena ser lido devido ao seu divertido conteúdo, mas como disse no alerta deve ser completamente evitado por aqueles "crentes" de carteirinha que não pode se permitir rir de personagens bíblicos.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 30 de agosto de 2015

Meta 2015 - 42 de 60 - A Máscara

Dean Koontz fez um livro como um misto de  Stephen King ou o filme Poltergeist, porém seu livro peca ao explicar demais, porém se lembra do primeiro filme de Spielberg vai lembrar que tudo ocorre de forma muito frenética no final com a família abandonando sua casa e indo parar em um motel - o filme teve duas continuações (que não merecem a pipoca gasta para assisti-los) e um remake neste ano.

A história do livro se passa quando uma jovem, antes de completar seu 16º Aniversário se vê presa em um sótão e morre queimada culpando a mãe por odiá-la e tê-la mandado limpar o sótão como castigo.

Vários anos se passam e a história se volta ao jovem casal Carol e Paul que desejam mais que tudo adotar uma criança, porém coisas estranhas acontecem que impedem esse fato de acontecer. Como se algo muito maligno estivesse impedindo a realização de seu sonho.

Carol é uma psicóloga infantil que teve um grande trauma na infância, abandonada pelos pais é adotada por Grace. Só que no percurso para seu consultório Carol atropela Jane, uma adolescente que está sem memória de seu passado. Carol e Jane iniciam uma grande amizade, tanto que ela leva Jane para casa para ser sua tutora enquanto a polícia tenta localizar seus pais.

Carol inicia com Jane seções de regressão tentando buscar sua memória perdida, porém se depara que Jane incorpora outras três meninas que morreram em circunstâncias pra lá de estranhas, todas morreram na véspera de seu 16º Aniversário.

Do meio do livro até perto do final Paul e Grace recebem mensagens do além tentando alertá-los do perigo, só que a descrença faz com que eles ignorem essas mensagens até ser muito tarde e sofrerem as consequências. Com isso que disse, acredito que já deva ter percebido como isso vai acabar.

Às 10 últimas páginas do livro é que ocorre realmente a ação, só que não dá tempo nem de pegar uma pipoca (se fosse um filme) ou comer uma maçã (já que é um livro). E tipo assim: Acabou.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

PS. Coisas estranhas que aconteceram com os filmes Poltergeist - A atriz Dominique Dunne que fazia o papel da jovem filha Dana (no primeiro filme) morreu após concluído o primeiro filme e a atriz Heather O'Rourke a menina loirinha (também de E.T.) que é abduzida pelo Poltergeist, morreu logo após a conclusão do terceiro (acho que nem "O Exorcista" teve esse aspecto estranho). Coisas do cinema.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Meta 2015 - 41 de 60 - Put Some Farofa

Lembra daquela caverna que temos mania de nos escondermos durante um bom período da nossa vida. Pois bem, se retornou hoje para a civilização deixe-me dizer que nos últimos 10 anos várias pessoas ganharam destaque no mundo da comédia, entre uma nova geração de comediantes do mais alto nível se encontra Gregório Duvivier.

Duvivier ficou muito conhecido no YouTube devido ao sucesso da Porta dos Fundos, e para quem não sabe ele também é escritor - comparado a Woody Allen e com o mesmo estilo de Veríssimo, ambos já comentados em livros anteriores - porém o humor dele é bem mais afiado.

Este livro é uma coletânea de contos, alguns criaram vida na Porta dos Fundos, outros foram extraídos (ou subtraídos) da Folha de São Paulo e mais alguns variadas fontes.

É um bom livro para se ler e dar algumas risadas, porém não espere rir a trancos. Duvivier tem um humor um tanto refinado e algumas vezes demora um pouco para cair a ficha. Em um de seus contos ele satiriza a favela como se fosse um espécie de local raro aonde os turistas pagam para fazer uma espécie de "safári":

Guia: Aqui na subida da favela, vocês já podem vislumbrar um ou outro pobre. Percebam que, quando um pobre passa pelo outro, eles se cumprimentam. O simples fato de ser pobre já é o bastante para criar empatia. Percebam que a porta da casa fica aberta. O pobre confia nos outros pobres, porque os outros pobres sabem que ele é pobre, então não tem nada pra roubar além de coisas de pobre. É um ecossistema que funciona.

O conto Pardon Anything possui o texto que fornece título ao livro, é a conversação de um brasileiro com um gringo que começa assim (escrito provavelmente pensando nos brasileiros que receberam os turistas americanos em suas casas para a Copa do Mundo):

Hello, Gringo! Welcome to Brazil. Não repara a bagunça. Don´t repair the mess. In Brazil we give two beijinhos. Em São Paulo, just one beijinho. If you are in Minas, it´s three beijinhos, pra casar. It´s a tradition...

É aquele famoso jeitinho brasileiro de tentar conversar em inglês traduzindo literalmente as frases para o idioma e preenchendo com palavras em português onde se desconhece sua tradução, e no meio do texto aparece:

Try this moqueca. Put some farofa. Try this açaí. Put some farofa. Try this chicken we call à passarinho because it´s look like a little bird. Now put some farofa. Mix with some banana. Delicious. You don´t have farofa in your country?

Ri por tentar imaginar o esforço do gringo para tentar compreender o que estava sendo dito. Ou seja, é uma espécie de humor que muitas vezes temos de nos envolvermos para "sacar" a graça. Do you understand?

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

PS. Na traseira do livro se lê: "Nem todo bom humorista é um bom cômico, nem todo bom comediante é um bom ator e nem todo bom roteirista é um bom cronista. O Gregorio Duvivier é tudo isso ao mesmo tempo e vice-versa. É econômico - você paga por um Duvivier e leva seis." Luis Fernando Veríssimo - Preciso dizer mais? Need I say more?

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Meta 2015 - 40 de 60 - Maldito Karma

David Safier ganhou um assíduo leitor, esse foi um dos pouquíssimos livros que li de um escritor Alemão realmente engraçado e após uma série de livros tristes merecia esse descanso. Esse livro foi sem dúvida um dos mais divertidos e apaixonantes dessa coleção de 60 livros.

A história começa com a morte da protagonista do livro Kim Lange, uma egocêntrica apresentadora de televisão. Sua morte ocorre com a queda em sua cabeça de um pedaço de uma Estação Espacial Russa, isso mesmo, e tal fato ocorre exatamente no dia seguinte que ela traiu seu marido. Kim pensa que por ser famosa lhe dá o direito de fazer tudo que quer, inclusive ignorar seu marido e filha, humilhar todos a sua volta e ser muito egoísta.

Pois bem, ela reencarna como uma formiga e ninguém menos que Buda lhe aparece (como uma formiga gordona) para lhe explicar que devido a não saber aproveitar sua vida anterior acumulou "Péssimo Karma", não pode ascender ao Nirvana e terá que continuar sua jornada na terra até acumular "Bom Karma" e subir na cadeia evolucionária. Como formiga, Kim está revoltada. Como viver naquele corpo horrível? E qual o objetivo de ser formiga? O mais engraçado disso é que todas as outras formigas tem nomes apenas com "consoantes" e morrem de rir quando ela diz seu nome.

No formigueiro Kim encontra-se com outro desencarnado em formiga, Casanova. E ambos viverão várias aventuras juntos. Porém seu maior desejo consiste em ver como está sua filha pequena e o se seu marido está sofrendo por sua perda. Porém aos poucos vai reconhecendo todo o mal que causou as pessoas com quem viveu. A reencarnação mais hilariante ocorre quando ela volta a vida como um Hamster, junto ao próprio Casanova (que comemora por voltar a ser um mamífero) e mais três irmãos que não são seres humanos encarnados mas simples animais.

Outra coisa bacana do livro é quando Buda resolve explicar o ciclo das encarnações, dizendo que se Kim fosse Católica iria ser julgada pelas leis de Jesus, se fosse Muçulmana segundo Maomé, e assim sucessivamente para qualquer "Religião" que tivesse (inclusive brincando que Odin está muito triste pois ninguém acredita mais nele e pensando em melhorar seu Marketing). Como Kim era Ateia, Buda assumiria suas responsabilidades, uma forma simples de Deus não mandar ninguém indiscriminadamente para o Inferno e prover uma nova chance as pessoas.

Como disse é uma história muito divertida, fiquei só imaginando Buda como todos os animais que Kim reencarna bem gordo ensinando as coisas para que ela possa compreender como funciona o ciclo das encarnações e chegar ao Nirvana além da presença do divertidíssimo Casanova que a vive chamando de Mademoiselle. É um daqueles livros que se devora e raramente desejei parar de lê-lo.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Meta 2015 - 39 de 60 - A Colméia

A primeira história que li falando sobre vidas reais foi o quadrinho realista de Will Eisner chamado "O Edifício". Para quem desconhece, existe um prêmio dado ao melhor quadrinho (uma espécie de "Oscar" dos Quadrinhos) chamado "Prêmio Will Eisner" só assim pode-se imaginar a importância desse.

 Enquanto estava lendo essa obra realista de Camilo José Cela, me foi impossível evitar uma comparação com a obra de Will Eisner. A temática do livro se passa através de vários personagens que em comum tem de circular pelo Café de Dona Rosa - uma gorda irritadiça e autoritária que trata seus empregados com mão de ferro. Nesta obra várias histórias circulam.

Como a de Martín um poeta pobre que tenta viver de seus versos; Vitoria que está apaixonada por seu noivo porém o mesmo está com Tuberculose e ela precisa desesperadamente de dinheiro para seu tratamento; Visi a mulher de Roque e mãe controladora de suas filhas que apenas quer que elas se casem com um bom partido; Elvira, símbolo da decadência e sua vida está marcada por seu passado e pela fome.

Além disso a parte "proibida" do livro fica por conta de várias cenas de prostituição e homossexualismo, por este motivo o livro foi completamente censurada na época. E, assim como Will Einer fez com os quadrinhos, A Colméia abriu novas perspectivas a novela espanhola, tratando a vida como ela realmente é.

O título "A Colméia" se deve a incerteza dos destinos dos seres humanos, das pessoas que não sabem aonde vão, seres solitários que caminham sem rumo ou futuro e muitas vezes sem qualquer dignidade. Se acessar sua página na Wikipédia é possível encontrar o livro para baixar gratuitamente em formato e-book.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 22 de agosto de 2015

Meta 2015 - 38 de 60 - O Mistério da Cripta Enfeitiçada

Eduardo Mendonza escreveu um livro divertido com uma mistura de Humor Negro e Relato Gótico com muito mistério e divertimento.

O livro é como se fosse o "Diário", narrado por um herói (ou anti-herói), um antigo criminoso depravado que está internado - em momento algum o livro menciona o nome desse personagem - em um manicômio e que ganha liberdade temporária para resolver um caso desaparecimento de uma menina do Colégio das Freiras Lazaristas de San Gervasio. Seu único fraco é por Pepsi-Cola, no qual durante toda trama toma compulsivamente.

O mesmo caso tinha ocorrido a 15 anos atrás, na qual outra menina tinha desaparecido e reaparecido dias depois. O Comissário Flores responsável pelo caso, sem poder agir por meios oficiais oferece ao "interno" sua liberdade permanente caso consiga resolver esse complexo mistério. Sem contar com qualquer recurso vai procurar sua irmã, uma prostituta decadente que trabalha em uma espécie de bordel, e ali a encontra com um "Sueco" (o livro tem o hábito de não dar nome a seus personagens).

Após esse fato o mesmo "Sueco" está em seu quarto, em uma pensão suja que conseguiu uma hospedagem temporária, ameaçando-o com uma arma para minutos seguintes cair morto, envenenado. Em seguida, a polícia está em sua porta (os fatos acontecem de forma frenética no livro e não dão muita chance de um respiro) com a intenção de prendê-lo por assassinato.

Agora tendo que fugir de tudo e todos, pois até o próprio Comissário Flores já está arrependido de tê-lo envolvido, sua única chance é a de resolver esse enigma e provar sua inocência. Este livro possui uma continuação chamada: El laberinto de las aceitunas (O Labirinto das Azeitonas).

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Meta 2015 - 37 de 60 - O Iluminado

Stanley Kubrick é tipo ou adoro ou detesto seus filmes, dois de seus filmes, considerados "Clássicos" são (na minha opinião) horríveis: 2001, Uma Odisseia no Espaço - sinceramente não aguento os 12 minutos de Danúbio Azul e uma espaçonave rodando ao longe (durmo toda vez nessa parte e quando acordo o Robô já está matando todo mundo) e O Iluminado. Sendo que esse último é um excelente livro de Stephen King que consegui concluir essa semana.

Primeiro devo dizer que adoro Jack Nicholson, mas acho que a escolha de Shelley Duvall foi algo entre o terrível e de péssimo gosto que não tem absolutamente nada a ver com a Andy Torrance do livro (sensual e "LOIRA"). Agora o pior papel ficou para o ator Danny Lloyd, que fez o garotinho Danny (ou Doc como seus pais o chamam no livro).

Primeiro que coisa ridícula é aquela do Danny ficar passeando de velotrol o tempo todo pelo hotel? Aonde foi que arrumaram aquele "Labirinto" - no livro são plantas em forma de Animais do Parque infantil e fazem parte da primeira loucura de Jack? Ou o banho de sangue saindo do Elevador? Para quê aquelas gêmeas no corredor? Já cenas que são importantes no livro ficaram totalmente de fora do filme, onde estava o Tony (o amigo imaginário de Danny)? O que aconteceu com as Vespas que picam a mão do garotinho? Quem foi o gênio que achou que um Machado era melhor que o Taco de Croquet? Não vi a palavra "Redrum" (principal do livro) uma única vez, e finalmente que porcaria é aquela no final Jack aparecer "congelado na neve"? O mais engraçado é que as pessoas criticam por esse filme nunca ter ganho um Oscar. A pergunta é, só se fosse um Oscar de filme que jogou um excelente livro fora. A única coisa que salva o filme é a Loucura de Nicholson (que já tinha levado seu Oscar por "One Flew Over the Cuckoo's Nest" - Um Estranho no Ninho) e Kubrick soube explorar essa sua característica muito bem.

No livro tem uma referência clara a outro livro que comentei Viven! sobre os Uruguaios que ficam presos nos Andes e tem que praticar Canibalismo, principal medo de Andy - que durante sua estada no Hotel não quer de maneira alguma andar no elevador além de seu complexo com sua mãe. Já Danny é o grande responsável por muitas coisas que estão acontecendo no Hotel que deseja obter os poderes do garoto. Achei uma pena que um excelente livro tenha sido sacrificado dessa maneira, e só para se ter uma ideia, antes de lê-lo pensava que o título se devia a loucura de Jack só que na verdade se refere aos dons mediúnicos de Danny. O que faz muito mais sentido no contexto geral da obra de King que adora escrever seu "Terror Psicológico" e que Kubrick o viu mais como um enlatado do tipo Sexta-Feira 13.

Para corrigir essa injustiça em 1997 foi criado um especial para TV em 3 partes com a história verdadeira e mais condizente com o livro, é possível encontrá-lo em DVD - Assista aqui seu trailer:


Não me entenda mal, não odeio Kubrick e amo dois de seus filmes: Laranja Mecânica (A Clockwork Orange - que conseguiu captar o essencial do livro) e Dr. Fantástico (Dr. Strangelove - com o genial Peter Sellers).

Obrigado e boa leitura
Fernando anselmo

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Meta 2015 - 36 de 60 - O Súdito da Czarina

Diego Merry del Val é um escritor singular que criou uma obra genial. Essa obra maestra nos remete a Rússia do tempo dos Czares, ou melhor dizendo das Czarinas. Estudou Jornalismo na Universidad Complutense de Madrid e exerceu sua carreira no El Diario ABC.

A Imperatriz Catarina casou-se politicamente com o Czar, porém desde sua época matrimonial mal chegou a ter relações sexuais (ou de qualquer outra espécie) com seu marido. Tendo ao contrário diversos amantes, seu primeiro filho foi arrebatado de suas mãos e só chegou a conhecê-lo quando completou 5 anos.

Mas a história central é sobre José de Ribas y Boyons que chegou a ser um almirante da Armada Russa durante o reinado de Catarina a Grande. Nascido no reino de Nápoles, antes vinculado politicamente a Espanha, de Ribas teve una brilhante carreira militar através do Conde Alexei Orlov, irmão da amante da Imperatriz Catarina.

Boa parte de toda história se passa no antes, durante e depois do reinado de tão famosa personagem histórica que após sua morte assumiu o trono Pablo I tornando a vida de Ribas em um verdadeiro inferno. Muitos acontecimentos são relatados e mostram algo pouco conhecido. Aqui vemos várias faces do regime russo da extrema pobreza, inclusive a venda "disfarçada" de escravos (de crianças a velhos) a mais pura riqueza, na qual o dinheiro permitia excentricidades nunca antes alcançadas.

De Ribas, esse singular personagem histórico, foi o responsável desde a construção da cidade de Odessa (narrada em seus pormenores) a criação de um plano para tirar Pablo I do poder (no qual não chegou a participar). Seus feitos em batalha lhe garantiram muita riqueza e poder em uma terra dominada pelo luxo. É uma obra para ser devorada por partes e com muito prazer.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 15 de agosto de 2015

Meta 2015 - 35 de 60 - A Rebelião de Lúcifer

Conheci Juan José Benítez através de seu mais famoso livro "Operação Cavalo de Tróia" que conta a possibilidade da criação de uma "Máquina do Tempo" que realiza um retorno a época de Cristo. Pela narrativa de sua história achava que se tratava de um católico fervoroso, colocando o Cristo como um real relato dos eventos contados pela Bíblia. Ou seja, nada de novo se mostrava.

Neste livro posso dizer que me enganei. O autor na verdade pode ser o que consideramos um Cosmologista. Só para se ter uma ideia O mais incrível do livro é o Cristo narrado, absolutamente nada tem a ver do Jesus Bíblico e se você entendê-lo bem vai descobrir que possui muitos irmãos. O livro em si é como uma grande sinopse de outro livro chamado: O Livro de Urantia. Neste livro (que pode ser encontrado gratuitamente na Internet) é contada a história de nosso planeta de forma bem diferente, daquela obtida em "Textos Sagrados". Porém com um sentido bem melhor sobre alguns fatos ocorridos.

No livro de Benítez existe a "Grande Loja da Escola da Sabedoria" (uma espécie de Maçonaria) que busca uns manuscritos perdidos e encarrega um de seus discípulos Sinuhe de procurá-los. Esse é um personagem estranho pois faz diversas "burradas" durante toda a obra e não poderia nunca ser considerado um herói. Bem, como tudo é muito estranho Sinuhe se encarrega de educar uma tal "Filha da Raça Azul" pois ambos participarão do "Julgamento de Lúcifer" (coisa que não acontece neste livro e provavelmente seja a brecha para um segundo - lembre-se que Benítez escreveu 9 Operações Cavalo de Tróia, então é um autor que adora continuações).

Porque digo que Sinuhe faz burradas? Em uma parte do livro quando a "Filha da Raça Azul", que agora se chama Nietihw (o autor adora nomes difíceis), se encontrava morta o que faz Sinuhe? Pega o anel que contêm seu guardião Rá! (E antes que pense, não, você não se enganou muita coisa da Mitologia Egípcia é colocada no livro) e o joga fora, culpando-o por sua morte. Se bem que umas páginas atrás o mesmo Rá! o salvou a vida. Depois fica chorando porque perdeu o Disco. Para alguém escolhido pela "Escola da Sabedoria" acho que reprovou algumas séries. A única coisa inteligente que faz só acontece perto das últimas páginas (que não vou dizer aqui para estragar sua leitura).

É uma leitura interessante que poderia ser muito abreviada se tirasse a quantidade de narrativa sobre a criação de Iurancha (nossa Terra - não somos Terráqueos, somos Iuranchianos) e suas raças multicoloridas - se espera uma grande viagem esse é o livro certo recomendo lê-lo com a mente bem aberta, o mais aberta possível.

Obrigado e boa leitura
Fernando anselmo

Meta 2015 - 34 de 60 - Viven

Piers Paul Read, através dos relatos dos sobreviventes e outros envolvidos, escreveu uma emocionante história. Este é um daqueles livros para todos (assim como eu) pensam em realizar algo nesta vida.

Um time de Rugby e mais algumas pessoas partem em um Voo fretado da Força Aérea Uruguaia a caminho do Chile. Porém nas Cordilheiras dos Andes acontece um terrível acidente.

O livro narra a luta pela sobrevivência, que além de passarem um frio terrível existia muito pouca comida a disposição. Além disso o que era para ser uma espera de poucos dias pelo resgate acaba se transformando em meses.

Em uma parte temos os sobreviventes do Voo, outra parte as autoridades que depois das primeiras semanas desistem da busca por acharem que não existe mais ninguém vivo e na última parte os familiares que não medem quaisquer esforços para encontrarem seus filhos vivos.

Este emocionante relato virou uma história comovente que abalou todas as Nações. Dos 45 passageiros do Voo apenas 16 são resgatados e ao finalmente serem encontrados descobriram que para conseguirem sobreviver, tiveram que comer o corpo dos amigos que haviam mortos. Isso mesmo, praticaram o temido e condenado: Canibalismo.

A história completa da tragédia pode ser vista na Wikipédia, porém o livro procura mostrar um outro lado de quê se alimentariam os sobreviventes? E como realizar tal prática não afetou a integridade moral e religiosa dos sobreviventes e ao contrário se tornaram religiosos muito mais fervorosos, comparando a tragédia a como uma prova de vida que passaram.

Esse livro também virou um filme (disponível em DVD).

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Meta 2015 - 33 de 60 - África Chora

Entre todos os livros que separei para ler este ano, este é sem dúvida (até o momento) o mais cruel e real lamento de um continente inteiro que é assolado por miséria, fome e guerra entre suas mais variadas Etnias. Alberto Vázquez-Figueroa fez um relato cruel para as pessoas que se dizem "sofredoras" mas que na realidade não tem a menor ideia do que é realmente sofrer.

Uma pequena aldeia da Etiópia levava a vida tranquilamente até que no rio se avista alguns corpos. O chefe da tribo resolve dá-los sepultura descente. só que, segundo seus costumes, isso só pode ser realizado ao dia seguinte. No outro dia algumas crianças foram para a escola, já outras abaladas com a situação resolvem ficar em casa. Por volta da hora do lanche tiros se escutam por toda a aldeia e junto com a Professora Margaret (a professora que foi para aquela região com seu Pai Missionário ainda jovem) conseguem se esconder.

Após um tempo verificam o que ocorreu e ao chegar na aldeia descobrem o pior - todos foram cruelmente assassinados, mulheres violadas e mortas e vários decapitados. Agora começa a aventura, pois a Margaret, resolve na companhia das crianças abandonar a aldeia e buscar continuar a vida em outro lugar.

Como disse é um relato cruel, pois as crianças vão passando por várias e incontáveis dificuldades, inclusive várias delas morrem no caminho, não existe um relato bonito apenas a dura e cruel realidade. Algumas pessoas tentam prestar ajuda como um Médico da ONU que trabalha em um campo de refugiados consegue com que se vão de caminhão para outro local, ou uma família que vive as margens de um dos afluentes do Nilo os ensinam a construir balsas de modo que possam continuar sua viagem. Porém, a principal ajuda vem de onde menos se espera, de Caçadores Clandestinos (que aos olhos do mundo inteiro são como "bestas que matam animais indefesos") que os transportam boa parte do caminho e contam sua amarga história de como chegaram a fazer o que fazem: Se o Homem Branco não desejasse ter um troféu de Marfim para enfeitar sua sala ou sua Mulher não desejasse um casaco de pele de Leopardo, não existiria demanda. Um dos mais intrigantes relato é contado por um dos caçadores, um Grego: Contam que os casos de Lepra ocorrem mais facilmente entre os Judeus, não sei se é verdade, mas dizem que no Egito o Faraó expulsou todo o povo Hebreu por causa dos altos casos da doença enviando-os a outra margem do Mar Vermelho. Lá Moisés, os liderou até encontrarem uma terra que pudessem viver e muitos morreram no caminho.

A obra toda é marcada por acontecimentos incríveis e nos fazem pensar realmente o que é o sofrimento, este mesmo personagem narra uma parte da história africana: Quando chegou o colonizador dividiu a África em regiões, não logicamente separando-os por Etnias, mas como por sorte. Assim, você teria que viver com aqueles que odeia enquanto seus amigos estavam a quilômetros de distância. Uma África toda misturada com ódio entre os vizinhos. Este é um daqueles livros para se ler e pensar muito sobre a vida, seu emprego e o que se está fazendo em relação as pessoas que lhe cercam.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 9 de agosto de 2015

Meta 2015 - 32 de 60 - Cuca Fundida

A primeira vez que conheci Woody Allen foi com o filme "A Última Noite de Boris Grushenko" (que possui o título original como "Love and Death" - vou morrer e nunca entender qual o motivo dessa troca de títulos), nesse filme acompanhamos os últimos momentos da vida de Boris (Allen) e sua amada Sonja (sua eterna musa, Diane Keaton). E agora conheci Allen como escritor e não me arrependo.

Este é um livro de contos no estilo de Veríssimo, são extremamente divertidos porém bem no estilo do Allen dos filmes, se percebe muito facilmente algumas de suas características mais básicas, tais como, filosofia, as origens judaicas e as questões sobre a vida.

Em um dos contos, Allen mostra como seria a vida da vários rabinos, enquanto que em outro uma inusitada partida de Xadrez (no conto Correspondência entre Gossage e Vardebedian), os contos são muito divertidos e extramente inusitados como "Conde Drácula" que conta um dia que o Vampiro acordou, foi no vilarejo se alimentar e descobriu que na verdade não era noite, era meio dia e tinha ocorrido uma Eclipse Solar, para tentar sobreviver ao sol o Conde se esconde em um armário ou no conto "A História de Uma Grande Invenção" que narra como foi inventado o Sanduíche.

Já outros não tem como não associá-los a filmes, como em "A Morte Bate à Porta", na qual a Morte em pessoa vai recolher uma alma e se vê envolta em uma partida de Biriba, numa referência clara ao filme "O Sétimo Selo" ou o conto "Viva Vargas!" que mostra a história de um guerrilheiro que se vê isolado com sua tropa nas montanhas, o coitado do cozinheiro só tem Iguanas e as faz de todos os modos possíveis (tem até Suflê de Iguana) no qual basta assistir ao filme "O Dorminhoco" (do próprio Allen).

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 8 de agosto de 2015

Meta 2015 - 31 de 60 - Um Dia de Cólera

Arturo Perez Reverte é um daqueles escritores que consegue colocar um tom jornalístico fora do comum, similar ao livro anterior este livro também é uma narração sobre um acontecimento histórico, porém diferente do livro anterior não é narrado por um espectador mas provavelmente realizado através de uma consulta em arquivos.

No dia 2 de Maio de 1808, a cidade de Madrid está tomada pelas forças francesas de Napoleão Bonaparte e neste dia resolve se revoltar para lutar pelo Rei Fernando, não existe neste livro um relato heroico de um único personagem, mas apenas um relato do que possivelmente ocorreu neste dia com todas as tragédias possíveis envolvendo vários de seus habitantes que são nomeados ao longo da obra.

De um lado estava a população, desorganizada e armada em sua grande maioria por navalhas, armas de caça ou as armas encontradas pela rua. Do outro, as forças organizadas do Exército que já tinham conquistado quase toda a Europa. Porém as baixas do lado francês foram enormes, tantas que ao final após a retomada do controle pelas tropas francesas se inicia uma série de fuzilamentos indiscriminados e pilhagem por quase toda a cidade em atos de pura vingança.

O que mais deixa claro no livro é que se toda a população e o exército espanhol tivesse se rebelado, provavelmente os espanhóis teriam ganho. Porém, isso não ocorre e podemos calcular que apenas 40% da população estava envolvida, só que as represálias foram contra todos que tivessem ou não tomado parte na batalha.

Para não dizer que não existiam personagens no livro, devo dizer que uma batalha é minuciosamente estudada, a população se reuniu no quartel de artilharia de Monteleón, e dois capitães resolveram agir e organizá-los, são eles Luis Daoiz e Pedro Velarde. A batalha é simplesmente espetacular e termina com um final totalmente inesperado.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Meta 2015 - 30 de 60 - As Portas de Fogo

Após o sucesso do filme 300 vi muitos livros falando sobre a fantástica Batalha das Termópilas, entre todos Steven Pressfield, um apaixonado sobre história militar, criou uma nova história, narrando os fatos acontecidos através de um Espartano sobrevivente.

Xeones, é um jovem grego que após sua aldeia ser terrivelmente arrasada por outra tribo Grega parte com sua prima e um ex-escravo velho para viverem nas montanhas, mas seu coração mantêm um sonho de se juntar ao Exército Espartano. Ao atingir a idade propícia consegue realizar seu sonho e se tornar um Arqueiro. É necessário explicar que cada soldado Espartano possuía uma pequena tropa de jovens que os ajudava com suas roupas, armas e caça (como os Cavaleiros Medievais) que serviam de suporte as suas atividades.

Narrando todo o sofrimento para se juntar aos Espartanos, Xeones vai narrando sua história a ninguém menos que o Rei Xerxes de modo que a mesma fique registrada para toda a humanidade. Bem diferente do filme, Xerxes é um Rei que ficou impressionado como poucos homens causaram um estrago tão grande em seu exército e fica muito interessado nos fatos acontecidos e na história do jovem grego.

Acredito que o livro foi bem mais fiel ao acontecido do que a história em Quadrinhos criada pelo genial Frank Miller (que depois virou o filme), mostrando que na verdade os gregos viviam em guerra entre si e que tiveram de se unir para combater um inimigo comum que desejava escravizá-los. Não espere algo heroico ou mesmo romântico, por exemplo, ao chegar na primeira aldeia após a sua ter sido arrasada, a prima de Xeones e cruelmente abusada sexualmente e após tudo isso, a única coisa que a jovem de 13 anos temia era que nenhum homem a desejaria para casar. Tudo aqui é mostrado de forma crua, como se realmente os fatos tivessem sido narrados por alguém que esteve presente nesta batalha.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Meta 2015 - 29 de 60 - O Melhor de Max Gehringer na CBN

Necessariamente não precisaria, mas todo dia, acordo por volta das 07:00, somente para as 07:45 escutar o que Max Gehringer tem a dizer na CBN.

Max se tornou para mim uma espécie de Guru das boas práticas a se adotar em relação ao trabalho. Uso suas dicas de maneira quase religiosa e como diz na introdução deste livro: "Um dos segredos de Max é falar rigorosamente todos os assuntos, inclusive os mais espinhosos. Como, por exemplo, mau hálito.".

Sei que não tenho mau hálito, inclusive porque fiz o teste da língua. Porém, trabalhei com pessoas que não apenas tinham mau hálito como péssimos hábitos. Estes poderiam ser facilmente curados se ouvissem (ou lessem) algumas dessas dicas.

Este livro é dividido nos seguintes tópicos: Como conquistar um emprego; Os personagens corporativos; Organização, métodos e cargos; Os desafios (e a burocracia!) de cada dia; Esse estranho ser chamado chefe; Relacionamento, uma porta para o emprego; Criatividade; Trabalhe melhor; Coisas do Brasil; Não se enrole com a língua; e Novas tendências. Achou pouco? Tudo bem, ainda vem com um CD com uma seleção de alguns dos comentários mais importantes.

Por isso e muito mais, prefiro acordar um pouco mais cedo do que realmente deveria, afinal não estou perdendo horas de sono mas ganhando conselhos que podem me ajudar muito na carreira.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 1 de agosto de 2015

Meta 2015 - 28 de 60 - A Vingança do Bastardo

Após o último livro precisa de algo mais "divertido" para continuar minha saga por esses 60 livros, a muito tempo possuía partes de um folhetim que saiu no jornal "O Planeta Diário" e graças a Estante Virtual consegui comprar esse incrível livro de Eleonora V. Vorsky (pseudônimo de Alexandre Machado).

"Cada minuto naquela cadeia imunda parecia durar três semanas. Eu ficava calculando o quanto ia demorar para passar minha pena, mas sempre que chegava ao 187º ano eu perdia a conta. O advogado disse que por bom comportamento me tiraria dali na metade do tempo, porém, isso não era suficiente para me animar. A cela era de um escuro úmido e umbroso. O nome do escuro era Waltencir e tinha sido condenado por molestar sexualmente um pelotão inteiro do Exército de Salvação". Assim começa o livro e o relato de Levy (ou Primo Levy) o anti-herói desse engraçado e ADULTO livro. Aviso que existe muitas passagens "pornográficas" durante sua leitura.

No primeiro momento de sua estranha aventura Levy encontra sua graciosa e meiga prima Roshana (que mais tarde teve uma revista totalmente dedicada a ela chamada: Calor na Bacurinha) que passam por um sem número de engraçadas aventuras, indo parar nas mãos de Kadhagi, para depois se encontrarem em Jerusalém nus no meio de uma encenação do auto de natal, no mercado de escravo árabe, na Atlântida onde se encontram com as Amazonas até um Hotel onde a Máfia realiza uma enorme bacanal. O casal ainda teria a companhia de Bel, a Rainha das Sereias de Atlântida e de Kowalsky e sua (hummm) enorme, para que se possa entender melhor esse último personagem Kowalsky era um marinheiro de um submarino quando Levy e Roshana o encontram pela primeira vez acontece o seguinte diálogo:

- Levy, olhe para aquilo!... - apontou Roshana, boquiaberta.
- Meu Deus!...
Era Kowalsky que dormia inteiramente nu.

Muitas vezes tive que parar de ler para conter as risadas e apesar de conteúdo adulto o livro é um divertimento garantido. Este livro virou uma espécie de Cult entre os apaixonados de literatura no estilo dos antigos PasquimCasseta & Planeta e Chiclete com Banana.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

Meta 2015 - 27 de 60 - O Guardião dos Arcanos

Formado em História e apaixonado por Arqueologia, Paul Sussman é um escritor bastante incomum, enquanto estamos lendo suas histórias temos quase a certeza de visitar o Egito e as regiões adjacentes devido a seus precisos relatos.

Tudo começa ao sítio e a queda do Templo de Salomão pelos soldados romanos, os Judeus se vendo acabados entregam a um jovem uma sagrada missão, passar um incrível segredo até chegar o momento de revelá-lo as pessoas corretas.

Agora damos um salto até a época Nazista onde alguns Judeus levam uma pesada carga a uma mina abandonada e após isso são brutalmente assassinados.

Após essa introdução retornamos a época atual, no Egito, o Inspetor Yusuf Ezz El Din Khalifa, inspetor do Departamento de Polícia de Luxor, encontra um cadáver de um arqueólogo assassinado em plena escavação arqueológica, só que as circunstâncias são muito estranhas. Nesse meio tempo, uma carta com um Manuscrito medieval é enviado para Laila al-Madani uma jornalista palestina, que devido aos artigos que escreve é considerada totalmente anti-semita, e para completar esse esquisito trio temos Arieh Ben Roi, policial Judeu que perdeu sua noiva em um ataque terrorista e acaba se vendo envolvido nas investigações de Yusuf. Este é um livro de muitas viagens e cenários nas terras de Palestina, Egito, Israel, Alemanha, Londres e até Toulousse para localizar um incrível tesouro que pode ser a salvação do povo judio.

No meio a muito ódio entre Judeus e Palestinos, o livro deixa bem claro que existem perdas incalculáveis sofridas por todos os lados devido aos ataques terroristas, e que o ódio pode deixar marcas muito profundas. Mas que acima de tudo pode existir um mínimo de esperança quando um lado reconhece a existência do outro além de suas crenças.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 26 de julho de 2015

Meta 2015 - 26 de 60 - Trem da Vingança

Adoro livros históricos, um que envolve a Maçonaria faz com que história se torne muito interessante. A única coisa que posso dizer é que provavelmente Xavi Casinos ou deve ter pesquisado muito, ou então ele é um Maçom (acho a segunda mais acertada pois basta consultar a biografia escrita por este autor).

A história se passa no ano de 1848, onde um ex-policial Rubén Cardona é contratado como segurança por Tomás Boada, para proteger a construção de uma Estrada de Ferro, que será a primeira na Espanha e pretende ligar as cidades de Barcelona a Mataró (Terra Natal de Boada), que sofre com muitas sabotagens. Muitas pessoas estão contra sua construção, entre elas médicos, que afirmam o mal que viajar de trem pode causar ao ser humano, e donos de diligências, que temem perder seus passageiros.

Tudo poderia ser apenas uma simples história policial se no meio de suas investigações Cardona não descobrisse que pessoas ligadas a Maçonaria podem estar envolvidas na sabotagem.

Para resolver esse mistério Cardona é convidado a se tornar um Irmão Maçônico por pessoas que ele conhece a anos e nem suspeitava que assim o fossem.

Entre muitos auxílios, o menos esperado é de um Negro e antigo Escravo chamado Francisco que atualmente é o secretário particular de Boada. Não espere ver a Maçonaria tratada no livro de forma como uma Sociedade Secreta que pretende destruir o Mundo (da mesma forma como muitas pessoas tratam a Wicca como Magia Negra ou algo para idiotas sem noção).

Cardona vai passando por todos os estágios de iniciação maçônica (escrito com detalhes no livro - exceto, espertamente, as palavras de passe e os sinais), de Aprendiz, Companheiro a finalmente Mestre, e ao final o livro deixa uma grande pergunta no ar, o que provavelmente indica uma continuação. Acredito que realmente a Maçonaria foi bem tratada, não como uma sociedade que conspira contra o Mundo, mas que procura torná-lo um lugar melhor para seus habitantes.

Obrigado, abraços fraternos e até a próxima
Fernando Anselmo

domingo, 12 de julho de 2015

Meta 2015 - 25 de 60 - Flash Forward

Robert J. Sawyer é uma daquelas gratas surpresas no mundo da literatura, este livro pode ser encontrado em português com o título: Presságio do Futuro. Sua leitura é bem agradável e faz pensar muito.

Um experimento científico está para ser realizado em um Instituto de Pesquisa, conhecido como CERN, envolve um colisionador de Hádrons e que está sendo usado para a procura da partícula do Bóson de Higgs (para quem não conhece é definido como a Partícula de Deus), só que algo dá tremendamente errado e as pessoas do mundo inteiro são transportadas para o ano de 2030 por um breve período. Maravilhoso, muita gente poderia pensar neste momento, só imagine o que aconteceria se durante esse período você estivesse dirigindo ou pior pousando um avião. Acontecem acidentes e mortes em todo o mundo graças a esse resultado totalmente inesperado.

Entre os personagens principais estão o cientista chefe Lloyde Simcoe que durante o "salto" descobre que não está mais vivendo com o grande amor de sua vida a também cientista Michico Komura que por sua vez perdeu a filha por causa do "salto". Outro personagem interessante é Theo Procopides que durante o "salto" não viu nada e durante o conhecimento de outros casos chega a conclusão que antes do ano 2030 descobre que seria assassinado, conhecendo até o Detetive (que ainda é uma criança) que investigou seu caso e começa uma corrida frenética para tentar entender porquê isso aconteceu e como fazer para evitar, criando até um Site onde as pessoas podem compartilhar suas visões e assim montar uma visão do que será o Ano 2030.

O mais curioso do livro é que pessoas do mundo inteiro desejam repetir o teste com as visões, principalmente os países que durante o "salto" se encontravam dormindo. A pergunta que todo o tempo este livro propõe é se o tempo é ou não mutável, faz lembrar muito o filme "De Volta para o Futuro".

Outro dado curioso é que esse livro não virou um filme, mas uma série de TV (no Brasil chamada de Linha do Tempo) produzida pela ABC, mas só teve 22 episódios entre os anos 2009 e 2010, veja mais detalhes na Wikipédia.

Boa leitura e até a próxima
Fernando Anselmo

domingo, 5 de julho de 2015

Meta 2015 - 24 de 60 - Los Caballeros de Salomón

O livro "O Código Da Vinci" de Dan Brown tornou-se um sucesso mundial, talvez por causa de tantos mistérios que podem estar escondidos na vida de Jesus que nos fazem pensar. Só que as pessoas deveriam conhecer esse livro de Steve Berry.

Tudo começa na Idade Média com a prisão dos Templários e mais especificamente com a tortura imposta a Jacques de Molay, para aqueles que não conhecem a sua história dois atos foram marcantes nesta tortura, primeiro sua crucifixão em uma porta e segundo após sua retirada envolveram todo seu corpo em um pano de linho (não trataram suas feridas, deixaram ela secar nesse pano e depois o arrancaram).

Para aqueles que não estão familiarizados com a história a Ordem dos Cavaleiros do Templo iniciou com poucas pessoas e eram Cavaleiros que voltavam da Primeira Cruzada e que se dispuseram a proteger os peregrinos que iam visitar a Terra Santa. Porém algo aconteceu, pois em pouco tempo a Ordem teve um acréscimo incrível em suas filas, concessões da Igreja e muitos outros benefícios e riquezas.

O Rei Felipe IV de França junto com o Papa Clemente V arquitetaram um plano para obter suas riquezas e em uma Sexta-Feira 13 (por isso o dia do Azar) aprisionou todos os Templários (ou quase todos) e os torturou até a morte para obter esse tesouro, porém nenhum confessou e todo o dinheiro desapareceu.

Agora o livro retorna ao tempo atual onde Cotton Malone um ex Agente Secreto dos EUA se vê envolvido para ajudar sua antiga Chefe, que após a morte do marido recebe um diário. Este diário contém pistas para se chegar ao tesouro dos templários. Ainda envolvidos neste drama está o que sobrou da Ordem dos Templários que atualmente vive escondida em um mosteiro se passando por padres normais e realizando seus cultos a escondida.

A obra é surpreendente e nos faz pensar muito, por exemplo pegue um Bíblia e observe que os três evangelistas que narram a vida de Jesus narraram três versões completamente diferentes do que foram seus últimos dias na terra, desde sua morte até sua ressurreição. Outro detalhe e quanto ao Sudário de Turim, porque será que nunca chegaram a uma prova conclusiva sobre a sua datação e qual o motivo de tanta proteção da Igreja para evitar qualquer tipo de teste. O livro é uma obra intrigante principalmente na sua conclusão no melhor estilo de "O Código de Da Vinci" mas muito longe de ser uma mera imitação.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 4 de julho de 2015

Meta 2015 - 23 de 60 - A Autoestrada

Já disse em outras postagens que meu principal escritor de suspense é Clive Barker, mas muitas pessoas acham que Stephen King é supremo neste estilo de contos, pessoalmente acho que ele é ótimo para usar personagens que tem uma forte sequencia de desequilíbrios.

Em espanhol o título deste livro é "Carretera Maldita" e em inglês "Roadwork", outro detalhe curioso que originalmente King usou o pseudônimo de Richard Bachman quando publicou esse livro em 1981.

A história se passa como um diário em contagem regressiva para um dia fatídico, o personagem principal é Barton que perdeu seu emprego em uma lavanderia, seu filho muito amado morreu de um tumor no cérebro e sua esposa o abandonou. Nas divagações de Barton tudo isso aconteceu por causa da ampliação de uma autoestrada e apenas para completar ele terá de abandonar sua casa pois foi desapropriada para as construções.

O livro é mais um suspense psicológico sobre as divagações de Barton sobre tudo o que está acontecendo, os melhores momentos do livro fica por conta quando ao tentar comprar explosivos de um traficante este lhe recusa a venda e diz que o motivo dessa recusa foi por causa de um caso que lhe aconteceu quando era criança e um cachorro. O cachorro tinha aquele olhar de louco que você sabia (simplesmente ao vê-lo) que um determinado dia iria explodir e algo muito ruim iria acontecer. Após esse encontro Barton começa a sonhar constantemente com o cachorro. Outro momento marcante é quando Barton conhece Olívia uma jovem que está indo para Las Vegas em busca de um sonho e lhe diz que já está acostumada a pagar serviços de carona através de sexo.

O livro procura mostrar como coisas simples podem ser o estopim para causar uma série de acontecimentos na vida das pessoas, para muita gente o que é a ampliação de uma estrada, um shopping ou uma escola? Provavelmente nada, mas quantas vidas isso pode afetar?

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 27 de junho de 2015

Meta 2015 - 22 de 60 - Mais comédias para se ler na escola

Este é o último livro que me faltava ler de Veríssimo, e ele continua a série de crônicas iniciada com o primeiro.

Infelizmente acredito que o ensino nas escolas não é nada atraente, matérias como Química forçam-nos a decorar tabelas periódicas, Geografia a aprendermos coisas que nunca usaremos em toda a nossa vida, a menos que estejamos tentando puxar assunto: Sabia que o Bioma do Cerrado possui uma grande variedade... Matemática que poderia ser a mais útil das matérias nos faz decorar fórmulas simplesmente para passarmos nas provas (qual a fórmula para calcular o volume do Cone? Deve ser para utilizar quando for comprar um sorvete).

Lembro que a única coisa que me trouxe a matéria Literatura foi uma aversão aos livros que só consegui curar anos mais tarde, as crônicas de Veríssimo são divertidas e inteligentes e deveriam ser usadas por toda rede de ensino. Veríssimo defende que a Língua Portuguesa nos torna escravos perante as suas regras.

Este livro está dividido nas seguintes seções: O Planeta em Liquidação que traz contos que vão desde uma história alternativa de Deus quanto a criação do universo a uma visão entre o Otimista e o Pessimista. Passagens são contos rápidos sobre coisas que pode nos acontecer no dia a dia. Grande Família sobre coisas que podem acontecer no lar. Conversas difíceis é aquela coisa quando o Pai chama o Filho para conversar sobre "sexo" (como se o mundo moderno ainda precisasse dessa conversa). Metamorfoses e falando em "mundo moderno" esses contos é sobre as mudanças que podem acontecer. E a última seção sobre Você deve conhecer outros exemplos sobre reflexões.

Acredito que Veríssimo deve receber muitos e-mails começando por: "Na minha vida também ocorre isso...", pois em muitos cantos encontramos referências do que nos pode realmente acontecer, ou que pensamos de modo similar. É uma leitura agradável e engraçada, como no conto Atitude Suspeita:

– Delegado, prendemos este cidadão em atitude suspeita.
– Ah, um daqueles, é? Como era a sua atitude suspeita?
– Suspeita.
– Compreendo. Bom trabalho, rapazes. E o que é que ele alega?
— Diz que não estava fazendo nada e protestou contra a prisão.
– Hmm. Suspeitíssimo. Se fosse inocente, não teria medo de vir dar explicações.
– Mas eu não tenho o que explicar! Sou inocente!
– É o que todos dizem, meu caro. A sua situação é preta. Temos ordem de limpar a cidade de pessoas em atitudes suspeitas.
– Mas eu só estava esperando o ônibus!
– Ele fingia que estava esperando um ônibus, delegado. Foi o que despertou a nossa suspeita.
– Ah! Aposto que não havia nem uma parada de ônibus por perto. Como é que ele explicou isso?
– Havia uma parada sim, delegado. O que confirmou a nossa suspeita. Ele obviamente escolheu uma parada de ônibus para fingir que esperava o ônibus sem despertar suspeita.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 17 de maio de 2015

Meta 2015 - 21 de 60 - Abduction

Sai de um conjunto de livros totalmente sérios para um livro da mais pura ficção ao estilo de Júlio Verne, inclusive neste existe referência ao autor de "Viagem ao Centro da Terra".

Robin Cook é um autor conhecido pelos seus livros que mistura mistério e ficção e esse não é nenhuma exceção, Abdução (ou Abduzidos - como é traduzido o livro para o Brasil) trata de um novo mundo conhecido como "InfraTerra", vamos imaginar que a Terra já foi populada antes mesmo dos Dinossauros só que essa civilização devido a mudanças climáticas foi parar no interior, afetando alguns aspectos da civilização conhecida, como a misteriosa Atlântida (que ainda é uma cidade da InfraTerra), as Pirâmides e alguns outros conhecimentos humanos.

Uma equipe petrolífera esta interessada em escavar uma montanha quando a equipe que estava explorando uma falha em um submarino e levada para "Infraterra", além disso dois mergulhadores também são tragados (ou abduzidos). Nessa civilização descobrem que não existe morte, o espírito é passado para outro corpo, não existe violência, posse, o amor é livre e (para alegria de muitos) nem trabalho existe que é realizado por Bio-Humanos.

Consideremos então que eles estão no paraíso, infelizmente não é tão simples assim pois alguns do grupo estão totalmente insatisfeitos com a situação, enquanto que outros depois de cometer algumas besteiras querem sair dali o mais rápido possível. Só que a situação começa a se tornar desesperadora então é hora de bolar um grande plano para retornar a superfície.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

domingo, 10 de maio de 2015

Meta 2015 - 20 de 60 - Free

O último livro dessa seleção de Negócios é o que mudará para sempre a cabeça de qualquer um relativo a como ganhar dinheiro nessa nova era. Quando era pequeno ouvia muito falar da Era de Aquário onde o mundo seria mais justo e todas as pessoas seriam felizes essa era já começou e realmente muita coisa mudou alguns simplesmente não acreditam.

Muitas empresas conseguem ganhar dinheiro dando gratuitamente algum serviço, vou começar com um exemplo fora do livro, na área de cursos de informática uma empresa (antes desconhecida) chamada Caelum começou a distribuir gratuitamente em seu site as apostilas de seus cursos que são de altíssima qualidade para qualquer um, o resultado disso foi que seu nome ficou conhecido no mercado e hoje é uma das empresas de referência no mercado de cursos de informática.

O livro trata exatamente dessa relação dar para receber, o primeiro caso tratado no livro é de uma empresa que vendia por Tele-atendimento só que não vendia muito bem seus produtos até o dia que resolveu publicar um catálogo com mais de 300 páginas com fotos em alta qualidade de seus produtos e o distribuiu gratuitamente para seus possíveis clientes além disso a entrega seria realizada sem despesas, esse simples fato fez com que as vendas atingissem patamares não sonhados a transformando em uma das principais empresas no mercado. Ou outra empresa que vendia "Pó de Gelatina" só que na época ninguém usava isso, o que a empresa fez? Publicou um livro com várias receitas e o distribuiu gratuitamente, resultado similar a todas essas empresas já citadas. Ou seja, pensar em dar algo de graça para que no futuro existam demandas para seus produtos pode não ser tão estranho assim. Empresas como Amazon e Submarino constantemente agem dessa forma, barateando muito seus produtos e dando o frete gratuito.

Porque atualmente existem empresas que investem milhões para distribuir suas distribuições de Linux gratuitamente? Red Hat e Canonical tem sido referência quando se fala de novas gigantes no mercado de informática, qual o segredo? A venda de serviços, dá-se o sistema operacional de qualidade e gratuito mas cobra-se pelo suporte a grandes empresas que necessitam de especialistas para configurar seu parque de máquinas.

Algo muito interessante acontece com o Grátis a queda assustadora de produtos, quanto custava um pen-drive com meros 32 Mb a alguns anos atrás e hoje esse é o preço de um pen drive com 2 Tb (a medida é essa mesma Terabytes de informação). Ou seja, quanto valeria o primeiro pen drive? Essa é a Lei de Moore que citei no artigo anterior a esse, os preços devido ao aumento de tecnologia caem assustadoramente e muitas vezes (como comerciantes) ficamos perdidos com vários produtos em estoque desvalorizados.

Esses cinco livros (Cruzando o abismo, Wikinomics, A Estratégia do Oceano Azul, A Cauda Longa e Free) deveriam ser leitura obrigatória para qualquer administrador ou mesmo para o Empresário que deseja iniciar seu negócio nessa nova Era de Aquário e como a pensar um pouco fora da caixa.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo

sábado, 9 de maio de 2015

Meta 2015 - 19 de 60 - A Cauda Longa

Os dois livros seguintes tem em comum seu autor Chris Anderson e a Lei de Moore na qual foram baseados, se você não é ligado em tecnologia a Lei de Moore diz o seguinte: se o poder de computação por determinado custo dobra a cada dois anos, o custo de determinada unidade de poder de computação deve cair pela metade no mesmo período.

A Cauda Longa é um estudo sobre a capacidade do mercado de armazenar produtos, primeiro devemos pensar em um mercado comum, vamos imaginar uma locadora de DVD, por mais que cresça, a loja possui uma capacidade finita de armazenamento das mídias, e cada mídia exposta na prateleira possui um "custo" de armazenamento. Agora coloquemos a mesma situação em meio eletrônico, quanto custa o mesmo filme armazenado em um disco rígido? Esse é o primeiro conceito.

O segundo conceito que gera a chamada "Cauda Longa" é, pensemos que desses filmes armazenados em mídia eletrônica alguns serão mais alugados enquanto que outros não tanto assim (estenda esse conceito para qualquer negócio, existem produtos que vendem muito mais que outros) e isso, caso seja ordenados do mais alugado para o menos, formará uma curva descendente que em um espaço ilimitado se estenderá, nunca tocando no zero.

O terceiro e mais interessante conceito, pela lei dos 80/20, significa que 20% dos produtos são os que mais rendem e somarmos toda a saída dos outros 80% poderíamos obter uma nova forma de lucro, desde que obviamente eles não possuíssem custos marginais (capacidade de armazenamento, perda, custo de transporte, entre outros) e esse novo lucro pode ser superior ao primeiro. Sendo assim seria um grande negócio criar esse tipo de mercado.

Pensemos agora em negócios que surgiram nos últimos anos, em substituição a locadoras, NetFlix. Quantos filmes o NetFlix deve possuir? Aproveitando exatamente dessa capacidade "ilimitada" de guarda e um custo quase zero de armazenamento e transporte pode ser mantida uma base gigantesca de filmes que podem ser alugados infinitamente para diversos clientes, e o NetFlix a cada ano atrai mais e mais clientes para seu negócio e além de não se preocupar com a "pirataria". Ou seja, o NetFlix não pensa em combater a "pirataria" e sim torná-la obsoleta.

Obrigado e boa leitura
Fernando Anselmo